"Tristeza não é doença"


"A felicidade é benéfica para o corpo, mas é a tristeza que desenvolve os poderes da mente."

(Maurice Proust)

Tema do dia: Triste

Notícia do dia: Sociólogo americano diz que a psiquiatria transformou um sentimento normal em um problema médico

[Entrevista com o sociólogo americano Allan V. Horwitz, escritor do "The Loss of Sadness: how Psychiatry Transformed Normal Sorrow into Depressive Disorder" (A Perda da Tristeza: como a Psiquiatria Transformou a Tristeza Comum em Desordem Depressiva)]

ÉPOCAO que significa a “perda da tristeza” que dá nome ao livro?
Allan V. Horwitz
– Tristeza é a resposta normal a perdas que sofremos na vida. Agora se tornou comum chamá-la de “depressão”. Algo normal foi transformado em doença. A cultura dos antidepressivos transformou em doença dificuldades que fazem parte da vida.

ÉPOCA – Que sintomas caracterizam a tristeza e a depressão?
Horwitz
– Segundo o manual de diagnósticos da psiquiatria (DSM-4), se 5 sintomas de uma lista de 9 durarem mais de 2 semanas, os médicos dizem que há depressão. São eles: perda do humor; perda de interesse por atividades prazerosas; ganho de peso ou perda de apetite; insônia ou excesso de sono; agitação ou apatia; cansaço; sentimento de culpa e baixa auto-estima; dificuldade de concentração e de decisão; pensamentos recorrentes sobre morte ou tentativa de suicídio.
ÉPOCA – Então, qual é a diferença entre tristeza e depressão?
Horwitz –Ficamos naturalmente tristes pelas perdas do dia-a-dia, como de um relacionamento amoroso, de um emprego, de uma notícia de que seu estado de saúde não é bom. Ou quando há condições estressantes – como a pobreza – ou relações sociais em que se sofrem abusos, como os de poder. São situações ruins, mas sofrê-las não significa que algo esteja errado. É diferente da depressão, que surge sem razão específica. Não precisa ter acontecido algo terrível para surgir a depressão, que tem características biológicas. Ainda assim, a maior diferença não é o que acontece no cérebro. É o que ocorre dentro do contexto social. É dar à tristeza o ar de doença.

ÉPOCA – Depois de quanto tempo a tristeza passa a ser um quadro preocupante?
Horwitz
– Não existe uma linha divisória definida. Podemos dizer que se uma tristeza dura mais de dois meses algo pode estar errado. Mas não significa que não tenha solução. O que importa é que estão tratando quem levou um fora do namorado e não consegue se concentrar, dormir ou comer direito da mesma maneira que a alguém com sintomas que persistem por longos períodos. Ficar na fossa quando um namoro acaba é a resposta natural a um estresse, e não um distúrbio mental.

ÉPOCA – A tristeza pode ser boa? O que podemos aprender com ela?
Horwitz – Uma situação dolorosa nunca é boa. A tristeza que envolve a perda pela morte de alguém que foi importante para nós é dura e custa a passar. Por outro lado, a perda do emprego e o fim de um relacionamento amoroso são circunstâncias que nos fazem parar para pensar. Revemos defeitos, analisamos conseqüências de nossos atos. Isso ajuda a encontrar equilíbrio na hora de começar de novo. A pessoa ganha maturidade.

ÉPOCA – Como superar as fases mais complicadas?
Horwitz – O melhor a fazer é conversar com pessoas próximas. Falar com amigos e parentes. Procurar o apoio de quem nos conhece é o remédio ideal. A terapia também pode ajudar. Especialmente nos casos em que a tristeza se prolonga.

Fonte: Revista Época

6 comentários:

Olá, sou a Evellyn! disse...

Seu blog é lindo, dá para notar o carinho com que você seleciona o texto, imagens, mensagens positivas...
Adorei! Parabéns!
Beijos

Claudinha disse...

Gostei de saber que á tristeza é assunto para outras pessoas. Quando falo dela todoas acham que estou deprimida e é bem diferente este estado de espírito. Ótima reportagem,menina! Beijão!

Cristiane Martins disse...

Como disse ali do lado (agora abriu essa janelinha que nunca consigo heheh)
Pra mim depressão existe sim... é um stress mal curado... mas a chave pra cura da depressão somos nós mesmos. Bjao

Um olhar para dentro disse...

Adoro a forma como aborda os assuntos aqui. Estar triste não é ser triste, mas quando vc passa a ser ai é hora de procurar ajuda mesmo. Linda... uma ótima semaninha! bjussssssss

mãe global disse...

Mélica,
Adorei conhecer o seu blog e ver tantos assuntos interessantes e colocados com tanta sensibilidade. O tema da tristeza x depressão é super importante. Muitos confundem estar tristes com depressão, e é de grande importância esclarecer a diferença. Parabéns pelo seu cantinho delicioso. Vou voltar sempre!
Rosana

Marcos disse...

Alegre o dia de uma pessoa com uma mensagem bonita. É gostoso receber uma telemensagem de alguém que amamos.

Creative Commons License
Blog licenciado - Creative Commons License.